Coluna Rotativa 01/06/2022

ROTATIVA

 

Maria Cândida [email protected]

 

Que cidade é esta?

Divinópolis, mais um aniversário, desta vez completando respeitáveis 110 de profícua existência. Ainda mais que já nasceu abençoada, batizada com o belo nome de Divinópolis - Cidade do Divino Espírito Santo. Salve, salve!

…Uma cidade, para completar seus 110 anos de existência como a nossa, e prosseguindo, deve ter guardiães e desfrutadores da maior categoria e portadores de talento e de amor, muito amor.

…E tantos passaram por esta terra de Candidés e foram chegando, tantos mais passando, mas a melhor parte foi ficando… Para completar agora 110 anos de profícua existência, foram chegando e arranchando, outros passavam, mas os bons, os notáveis iam ficando… Ficando… Ficando… Eram os FICANTES…



INSIGNI-FICANTES?

Jamais… ficaram os insignes notáveis que arregaçaram a manga, abriram o coração e foram à luta, quais Bandeirantes à cata do ouro do trabalho e seus frutos onde se crescia e crescia...

E sob a bênção do trabalho foram chegando e trabalhando e louvando Candidés sonhou, os Franciscanos chegaram varrendo os caminhos com o esvoaçar de suas túnicas marrons e muita fé. Investidores chegando, como os Notini com sua pioneira fábrica de tecidos, com emprego para as jovens, e despontando lojas como o Leão da Esquina, Halim Souki praças de esporte, alfaiatarias e sapatarias e até relojoaria, e joias do Domingos do Carmo, até fábrica de caixão do Tobias Sales, e Alvimar Mourão, com olho nas lojas e na política, e escolas e faculdades e o marcante e inesquecível professor Martin Cyprien, e família Oliveira da Dona Diva e irmãs, e nessa altura do progresso já tinha pão pronto e quentinho na padaria, e carne no Antico, e Geraldo Cruz na papelaria que vendiam fiado na caderneta, e banda de música com meu pai e os Santinhos e… E clubes de futebol e Pardini e Itagiba e Pardini no Cinema e abençoado colégio das Irmãs do Sagrado Coração de Jesus, para as moças e mais a Chiquita Moreira Parteira, e Naná Boresca no salão de beleza, times de futebol e Maçonaria, e Igreja Batista e Centro Espírita crescentes e consagrados... O turco Tobias, pai do belo Benjamim, que faziam e vendiam caixões, e a Matriz do Espírito Santo, e bispo, e banda de música do Santinho, e alfaiatarias e sapatarias e Chiquinha do Minhava que lia mão, e teatro, e Chiquinha Moreira Parteira, Chiquinha do Minhava, zelosa catequista Lourdes Bessa e Isaura Ferreira, e as catequistas e irmãs Dona Rosinha e Joaninha, a RFFSA, Ferroviário Esporte Clube, Didi Barbeiro e Chula no carteado, além da alfaiataria, que era QG do carteado e Didi Barbeiro bamba nas charadas...

 

…E aos poucos ruas e praças se delineando, até calçamento chegando e metideza dos progressos da urbe… Ruas calçadas era demais...

…E campos de futebol, e praça de esporte, e pontes e barrancos se delineando, políticos bem atiçados, o traçado se delineando, barrancos se desbarrancando, havia até ruas sendo calçadas, um luxo, praças, mais igrejas mais....

Eis senão quando chegam mal agradecidos e brutos que começam a desfigurar a cidade. E teimam em desfigurá-la cometendo a novidade de construir parklets ou seja, puxadinho no asfalto, para deleite de privilegiados que nem merecem o nome de cidadãos, e sim de aproveitadores. E mais dessas casinhas bonitinhas na rua, os parklets.

E lá estão chegando os parklets, é o nome que deram à construção de botequins construídos em frente a garagens para devaneio e descanso de eleitos.



Insigne...ficantes?

O quê? Brincadeira... construir na rua calçada reservada para manobra de carros na saída ou entrada na garagem? Explicando: o carro sai da sua garagem atravessa o passeio, atravessa o meio-fio, eis a visão de mesinhas com cadeiras onde cidadãos se refestelam bebendo umas e outras e saboreando a melhor empada da cidade, apreciando a banda passar

Diante de reclamações, a Câmara muda seu perfil de legisladora para executora, invadindo função própria da Prefeitura... Tentam justificativas que permitam a coisa lá, mas... só temporariamente… Mesmo? Por quanto tempo?

Queremos aqui cidadãos insignes, e não insignificantes. Esses podem ir ficando em cidades outras que não comportam cidadãos insignes que amem e defendem sua Terra.

 

[email protected]

Comentários
×