Cesta básica tem novo aumento em março e chega a R$ 596

Reajuste foi de 4,09%; em 12 meses, grupo de alimentos subiu 41,5%

 

Da Redação

A cesta básica de alimentos apresentou novo reajuste em Divinópolis, aponta levantamento realizado pelo Núcleo de Estudos e Pesquisas Econômico Sociais (Nepes) da Faculdade Una Divinópolis. Em março, o custo médio da cesta básica de alimentos em Divinópolis foi de R$ 596,49, um aumento de 4,09% em relação a fevereiro, quando era de R$ 573,08. 

De acordo com o coordenador da pesquisa, o professor Wagner Almeida, entre os itens que demonstraram aumento no mês está o pão francês (20,04%), em consequência da redução da oferta de trigo no mercado externo, uma vez que Rússia e Ucrânia estão entre os maiores produtores mundiais do grão. Além do pão, o leite integral está entre os produtos que tiveram alta, com elevação de 19,46%, em decorrência do aumento nos custos da produção, da diminuição nos estoques de derivados lácteos e da competição por matéria-prima entre as indústrias.

— Outros itens que registraram alta no mês foram o feijão (17,11%) pois, mesmo com a fraca demanda interna, houve elevação dos preços devido à baixa oferta do grão carioca e à redução da área plantada. E também o tomate longa vida (16,16%), em função do menor volume ofertado, com a aproximação do fim da safra de verão, que provocou o aumento nos preços do fruto — destaca Wagner. 

Por outro lado, houve redução no preço da banana prata (31,09%) e da manteiga (1,56%). A carne bovina representa o maior peso (37,2%) na composição da cesta básica de alimentos. Foram pesquisados os cortes chã de dentro e chã de fora. No mês de março foi observada uma leve diminuição de 0,14% em relação a fevereiro no custo médio do quilo da carne.

Ainda segundo Wagner Almeida, a comparação do valor da cesta em 12 meses, ou seja, entre março de 2022 e março de 2021, mostrou uma variação positiva de 41,5%. 

 

53% do salário 

De acordo com o levantamento realizado em Divinópolis no mês de março, estima-se que o salário mínimo necessário deveria ser equivalente a R$ 5.011,15 ou 4,1 vezes o mínimo de R$ 1.212,00.

— Para o trabalhador remunerado pelo piso nacional, R$ 1.212,00, o custo da cesta básica em março foi equivalente a 49% do salário mínimo bruto. Ao comparar com o salário mínimo líquido, isto é, após o desconto referente à Previdência Social (7,5%), verifica-se que o trabalhador comprometeu, em março, 53% do salário mínimo líquido vigente para comprar os alimentos básicos para uma pessoa adulta — explica Wagner. 

Com base no valor médio da cesta básica em março, o trabalhador divinopolitano remunerado pelo piso nacional de R$ 1.212,00 precisou trabalhar 108 horas e 16 minutos – mais que em fevereiro, quando foi de 104 horas.

 

Capital 

Assim como em Divinópolis, em Belo Horizonte a cesta básica segue em alta. No mês passado, observou-se uma variação de 12,23% no custo da cesta básica entre as duas cidades, com um impacto maior no orçamento do trabalhador residente na capital mineira. Em Belo Horizonte, o valor da cesta básica também apresentou elevação no mês de março, aumento de 4,28% em relação a fevereiro. 

Em nível nacional, no mês de março, o custo do conjunto de alimentos básicos aumentou em todas as capitais onde o Dieese realiza mensalmente a Pesquisa Nacional da Cesta Básica de Alimentos.

 

Pesquisa

O Boletim Econômico, elaborado pelo Nepes da Faculdade Una Divinópolis, tem como objetivo fazer levantamentos de preços e fornecer informações sobre um conjunto de produtos alimentícios considerados essenciais. A pesquisa desta edição foi realizada entre os dias 24 a 28 de março, com levantamento dos valores praticados em seis diferentes estabelecimentos do ramo de produtos alimentícios de Divinópolis, que possuem em sua estrutura açougue, padaria e hortifrúti.

A metodologia utilizada para a coleta dos dados segue as orientações sugeridas pelo Departamento intersindical de estatística e estudos socioeconômicos (Dieese). Essa cesta, chamada Cesta Básica de Alimentos, composta por 13 produtos alimentícios, seria suficiente para o sustento e bem-estar de um trabalhador em idade adulta, durante um mês, contendo quantidades balanceadas de todos os nutrientes necessários à manutenção da saúde.

 

Comentários
×