Câmara abre CPI para investigar troca de terrenos entre Município e empresa privada

Situação já está no Ministério Público; pedido por comissão partiu do líder do governo

Está aberta mais uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) na Câmara de Divinópolis. Desta vez para investigar o possível prejuízo ao Município na aprovação do projeto que permitiu a troca de 14 lotes pela área em frente ao estádio do Guarani, o Farião, no bairro Porto Velho. 

A situação já foi repassada ao Ministério Público (MP), em Notícia de Fato que menciona o líder do governo, Edson Sousa (Cidadania), e o prefeito, Gleidson Azevedo (PSC). A CPI foi solicitada justamente por Edson, que comporá a comissão como membro. De acordo com ele, a denúncia apresentado ao MP é "grave e prescisa ser apurada, assim como a motivação e os argumentos do denunciante", afirma no requerimento. O texto ainda cita que foram feitas acusações sérias ao servidores da Prefeitura, ao prefeito e a ele próprio, líder do governo.

Os demais integrantes são: Ney Burguer (PSB), Rodrigo Kaboja (PDT) e Zé Braz (PV). A primeira reunião ainda será convocada para definir presidente e relator. 

O prazo para a conclusão dos trabalhos é de 120 dias. 

Segundo o projeto, já aprovado e sancionado, somados, os lotes cedidos pela Prefeitura, localizado no bairro Chanadour, valem R$ 824 mil, enquanto o terreno adquirido em frente ao estádio tem valor de R$ 830 mil. O objetivo, de acordo com a atual gestão, é revitalizar o local, com estímulo ao desenvolvimento econômico e social do espaço. 

— O Gleidson trocou 3 mil metros em uma área distante por 10 mil metros em frente ao campo do Guarani, sendo que mais de 5 mil são edificáveis. Enquanto tiver uma dúvida sobre o comportamento do governo ou desse vereador, vamos retirar tudo. Queremos a verdade — se defendeu Edson, ao Agora, na semana passada.

Comentários
×