Calma, pessoal!

Calma, pessoal!

É fato que estresse causado por diversos fatores está presente na vida da maior parte da população mundial e é responsável por ocorrências, muitas vezes, violentas, que poderiam ser evitadas. E isso ficou evidenciado ainda mais com a pandemia da covid-19.  No trânsito, então, nem se fala! Divinópolis, infelizmente, não foge a esta realidade, onde existe, atualmente, cerca de um carro para cada dois moradores. Além disso, centenas de condutores insistem em infringir as regras estabelecidas pelos órgãos competentes. O resultado desta mistura indigesta são acidentes, agressões verbais e até físicas presenciadas diariamente pelas ruas da cidade. A última delas, ocorrida na rua Goiás, bairro Ipiranga, na noite de segunda-feira, mostra claramente o perigo que atingimos. Após uma discussão acalorada, uma mulher foi atingida com um tiro na perna, exatamente por quem deveria dar o exemplo: uma servidora da Polícia Civil. Situação preocupante e que nos faz refletir, em especial, sobre o nosso comportamento no grau máximo de irritação. Primeiro, é preciso muita calma, conte até dez, respire, reze... Faça o que for necessário, mas evite desavenças. Nós precisamos, o próximo também e o Brasil idem. 

Gentileza sempre 

Nunca é demais repetir que gentileza gera gentileza.  Nesse sentido, fugir da irritação e ter humildade quando provocado é fundamental para evitar esses surtos. Essa coisa de ficar buzinando, gritando, cada dia mais comum, tem que acabar. Para isso, vale uma frase que todos deveriam adotá-la: “a mudança começa em nós". Até porque a tendência é que a cada dia haja mais gente e carros nas vias. Quando encontrar alguém assim, aja de forma diferente, dê passagem, sinalize, peça desculpas, caso cometa algum erro. Além disso, não se irrite com quem não segue esses conselhos. Bom senso é sempre bem-vindo. Quem sabe assim podemos começar a sonhar com um trânsito menos violento? Não custa tentar. 

Processo encaminhado 

Seguem a todo vapor as ações para a implantação do gasoduto na região.  Dentro dos trâmites do processo, a Companhia de Gás de Minas Gerais (Gasmig), com importante ajuda do prefeito de Cajuru Edson Vilela ( PSB) e equipe o que precisa ser ressaltado     conseguiu um fazendeiro daquele município  que vai doar as terras para a companhia implantar uma mata com espécies nativas. Compensação ambiental exigida para aprovação do empreendimento. No documento, que já está pronto e ao qual a coluna teve acesso, o presidente da Gasmig, Pedro Magalhães, faz questão de enfatizar a importância da parceria com a Prefeitura de Cajuru no projeto, que, para ele, “vai fomentar o desenvolvimento econômico sustentável, não somente da cidade, mas de toda a região”. Que a participação de Vilela foi crucial não resta dúvida, mas o reconhecimento é muito bacana. Algo raro de se ver em um ambiente em que, para aparecer e ter os louros, não se pensa duas vezes para “passar a perna” em alguém. 

O projeto 

Como este PB anunciou em primeira mão, o gasoduto ligará Betim até Ermida, onde haverá uma estação, e passa por outros municípios, como Mateus Leme, Igaratinga, Itaúna, Carmo do Cajuru e São Gonçalo do Pará. O percurso será feito em linha reta, não pela rodovia, como no atual modelo, por questões econômicas. Com o novo traçado, passará por propriedades rurais. A distribuição será feita por meio de estações, chamadas de city gates. Num total de quatro, a primeira delas será em São José dos Salgados polo industrial de Carmo do Cajuru , duas em Divinópolis próximas ao Carrão, MG-050 , e outra em Ermida. Os pontos de distribuição na cidade atenderão o Centro Industrial e as regiões Nordeste e Leste do município. Projeto sonhado, feito e refeito por tantas vezes e que finalmente virará realidade, graças a cabeças pensantes que preferem deixar de aparecer e pensar no bem comum. 

Segurança e saúde 

Ainda sobre a última sexta-feira inesquecível do Top of Mind, realizado pelo Agora com apoio da TV Alterosa detalhada aqui na edição desta terça-feira a coluna destaca e agradece as participações da Polícia Militar e da Unimed. Acredite, o espaço foi e é pouco para citar tudo que rolou na premiação, por isso fica restrito aos comentários. A PM foi representada pelo tenente Pedro Cunha e o soldado Henrique Moreira, visto que o comandante da 7ª Região, Wemerson Lino Pimenta, cumpria agenda em Belo Horizonte e não conseguiu chegar a tempo. Uma viatura esteve o tempo todo próximo ao local levando segurança aos presentes, o que já faz de forma incansável por toda a cidade. Pela Unimed, representada por seu gestor de marketing, Mozar Prado, uma ambulância fez o mesmo. O presidente Evangelista José Miguel é sempre muito cordial, o que explica sua longa permanência à frente da empresa. Para a alegria de todos, não houve nenhum registro que precisasse dos atendimentos. Melhor assim, mas os veículos estavam lá  aprontos.   

Comentários
×