Bombeiros de Minas permanecem em Petrópolis na busca de vítimas do soterramento provocado pelas chuvas

No total são 14 que ajudam no resgate de duas pessoas desaparecidas; operação contabiliza 229 mortos

Da Redação

Uma equipe com 14 militares do Corpo de Bombeiros Militar de Minas Gerais permanece trabalhando na área do desastre provocado pelas fortes chuvas em Petrópolis, na região Serrana do Rio de Janeiro. Especializados em busca e salvamento, os militares encerraram as atividades no setor denominado Alpha 3 e foram remanejados para a área Bravo 7.4.

As áreas do desastre foram divididas em Alpha, Bravo, Charlie e Delta – alfabeto fonético internacional. Atualmente, apenas a área Bravo concentra os esforços para resgatar duas vítimas desaparecidas. Nas demais áreas, os trabalhos já foram encerrados.

De acordo com o chefe da delegação mineira, coronel Eduardo Gomes Ângelo da Silva, a previsão é encerrar as atividades na próxima quinta-feira, 3.

- Estima-se que os trabalhos de busca e salvamento sejam finalizados na quinta e que todas as equipes sejam desmobilizadas - explicou.

 Resposta

 Até o momento, são 229 mortos e dois desaparecidos. O coronel Eduardo Gomes Ângelo da Silva afirmou que os militares envolvidos na operação conseguiram dar uma resposta rápida e efetiva aos familiares.

- Todo o trabalho desenvolvido até agora foi de forma harmônica, tanto com os colegas de outros estados quanto com os familiares. Fomos bem acolhidos pelas famílias, o que nos motivou ainda mais no cumprimento da missão, que é resgatar os desaparecidos e, assim, dar resposta às pessoas que buscam seus entes - disse.

 Equipe

 Dos 14 militares em campo, 10 são do Batalhão Ambiental e de Resposta a Desastres, sediado em Belo Horizonte, e quatro do pelotão de Emergências Ambientais, do Terceiro Comando Operacional, sediado em Juiz de Fora.

Os bombeiros mineiros envolvidos na missão são especializados em busca e resgate de estruturas colapsadas e contam com vasta experiência nas atividades de desmanche hidráulico, estabilização e escoramentos.

Comentários
×