Após pressão, Gleidson anuncia aporte financeiro para transporte coletivo

Recurso impede reajuste na passagem de ônibus; aumento do óleo diesel e pandemia colocam o sistema em risco, segundo empresa

 

Bruno Bueno

O prefeito Gleidson Azevedo (PSC) cessou a queda de braço com o Consórcio TransOeste, responsável pela frota do transporte coletivo de Divinópolis, e anunciou, na tarde de ontem, a destinação de um aporte financeiro para garantir a estabilidade do sistema na cidade.

A decisão acontece após a solicitação do Consórcio de reajuste da tarifa de ônibus. O aumento do óleo diesel e o longo tempo de pandemia, segundo a empresa, podem acarretar o início de um colapso no transporte coletivo de Divinópolis.

 

Aporte

O vereador Edsom Sousa (CDN), em pronunciamento ontem na reunião da Câmara, deu mais detalhes sobre o projeto. 

— Eu queria comunicar que deverá chegar um projeto para que o transporte público de Divinópolis tenha um aporte de R$ 400 mil reais a partir do dia 1º abril e de R$ 480 mil reais em junho. Mediante a elevação do petróleo e do óleo diesel, o prefeito achou melhor não aumentar a passagem e ajudar o transporte coletivo com essa concessão — disse.

 

O parlamentar parabenizou o prefeito Gleidson Azevedo (PSC) pela decisão.

— Se a gente for ver a coisa literalmente, desde 1992, o senhor prefeito age com prudência e gestão. 70 mil pessoas por dia precisam do transporte coletivo e, se o Executivo não tomar essa ação, todo o sistema poderia vir a colapso. Deverá chegar o mais tardar amanhã. (...) Não vai ter aumento de passagem. Terá um subsídio público para manter o transporte — afirmou.

 

'Só na Justiça'

Em entrevista concedida ao Agora nesta semana, o prefeito Gleidson Azevedo (PSC) antecipou que não concederia nenhum reajuste na tarifa.

— Aumento da passaginha? Eles que se virem nos trinta ou pedem pra sair. Simples. Se não estão satisfeitos com a forma que eles acham que não estão tendo lucro, é só pedir pra sair. Pela Prefeitura não vai ter reajuste, a menos se a Justiça acatar — afirmou.

 

Em vídeo publicado nas redes sociais na tarde de ontem, o prefeito também garantiu que vai autorizar o reajuste salarial dos motoristas de ônibus.

—  Nós vamos permitir que o Consórcio conceda o reajuste para eles [motoristas] — afirmou. 

 

Na Câmara, quem também abordou o tema foi o vice-presidente da Mesa Diretora, Roger Viegas (Republicanos).

— Com a nota da TransOeste e a garantia que o prefeito fez de não aumentar a passagem, nada mais justo que a Prefeitura dar sua contrapartida para que você, usuário do transporte público e empresário que banca o vale para funcionários, não seja mais prejudicado do que já é com ônibus cheio, atraso nas linhas coletivas e outros — citou.

 

'Colapso'

A nota do Consórcio repercutiu nas redes sociais. O órgão afirmou que o sistema está com risco iminente de colapso devido ao aumento do diesel e a duração da pandemia. 

— Passados mais de 24 meses do início da pandemia sem qualquer solução apresentada pela Prefeitura de Divinópolis, e agora diante de um aumento inconsequente e abusivo do óleo diesel em todo o país, o Consórcio Transoeste alerta as autoridades do colapso eminente que está por vir no sistema de transporte público da cidade caso não seja concedido o reajuste das tarifas do sistema — diz a nota da empresa.

 

Prefeitura

O Agora solicitou mais informações à Prefeitura de Divinópolis sobre o projeto de lei. No entanto, até o fechamento desta edição, por volta das 18h de ontem, o Executivo ainda não havia divulgado os detalhes da proposição.

 

Comentários
×