Após anos de articulação, Usina de Asfalto chega a Divinópolis

Estrutura chegou a ser viabilizada em 2020, mas ex-prefeito Galileu recusou aquisição

 

Da Redação

A Usina de Asfalto está em Divinópolis. A estrutura chegou domingo. Seu funcionamento, porém, ainda demanda algumas semanas de preparação. No anúncio em suas redes sociais, o prefeito Gleidson Azevedo (PSC), pediu paciência aos moradores.

— Peço à população calma e tempo, pois já está sendo preparada e futuramente vamos ter asfalto para tapar nossos buracos — solicitou.

A expectativa é que a usina entre em funcionamento dentro de 45 dias.

— O equipamento encontra-se no pátio da Semsur onde ficará guardado até a montagem da estrutura que está sendo preparada para operação do mesmo. A equipe de lá está conduzindo as obras de preparação do terreno, localizado no Distrito Industrial, onde o equipamento será instalado — anunciou a atual Administração.

 

Complexidade

A estrutura inclui, além da terraplenagem e cercamento do local, a construção de escritórios, implantação de uma balança rodoviária para controle de insumos e da produção e também um laboratório para controle tecnológico. A usina será utilizada para a produção de concreto asfáltico usinado a quente (CAUQ), com faixa de produção entre 20 e 40 toneladas por hora.  

Para o prefeito, a usina atende a uma das principais demandas da cidade: infraestrutura.

— Buscamos economizar recursos e realizar de maneira eficiente as obras necessárias para satisfazer as necessidades da população. O município precisa investir muito em infraestrutura devido à expansão urbana. Agora que a Usina de Asfalto chegou estamos finalizando toda a estrutura para que em breve ela possa estar em pleno funcionamento — definiu.

De acordo com o secretário de Operações e Serviços Urbanos, Gustavo Mendes, a chegada da Usina de Asfalto é um marco. 

— Com ela, a expectativa é suprir toda a necessidade do município com os reparos e a operação tapa-buracos — salientou.

O objetivo do equipamento é a produção de Concreto Asfáltico Usinado a Quente (CAUQ), que será utilizado prioritariamente para operação tapa buraco, podendo futuramente ser utilizado para asfaltamento sobre calçamento poliédrico e recapeamento das vias urbanas.

 

Origem

A usina, informou o Executivo, foi adquirida com recursos de R$ 1,8 milhão provenientes de emenda parlamentar individual do presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD), após pedido do deputado estadual Cleitinho Azevedo (PSC). Com o recurso, também será possível adquirir uma balança rodoviária para controle de insumos e produção, além de equipamentos para laboratório de controle tecnológico.

 

Quase veio…

A chegada de uma Usina de Asfalto é discutida desde a gestão do ex-prefeito Galileu Machado (MDB). Na época, o deputado Cleitinho articulou, junto ao ex-vereador Matheus Costa (Cidadania), a garantia de recursos para viabilizar a estrutura através da emenda de R$ 1,5 milhão do senador Carlos Viana (PL). O então prefeito Galileu argumentou que a aquisição não era viável aos municípios devido aos altos investimentos necessários para manutenção da estrutura, como insumos, autorizações ambientais, capacitação dos envolvidos e etc. Outro motivo alegado era que a usina produziria valor superior de asfalto à demanda da cidade. 

Em meio às críticas, a gestão anterior classificou os discursos da oposição em defesa da usina com ‘politicagem’.  

— A população já entendeu que o interesse dessas pessoas é só usar essa usina como mote político. Depois de tanto criticarem governos passados, alegando que eles usavam o assunto Hospital Regional como moeda eleitoral, eles agora têm a própria moeda e querem transformar esse assunto em palanque político para este ano — comunicou, na época.

Comentários
×