Alta no material escolar chega a 40%

Procon orienta a pesquisa em diferentes estabelecimentos

 

Jorge Guimarães

Janeiro chegou e traz consigo as tradicionais contas de início de ano, como o Imposto sobre Propriedade de Veículos Automotores (IPVA), Imposto sobre Propriedade Predial e Territorial Urbana (IPTU), matrículas e as tradicionais listas de materiais escolares. E quem ainda não fez seu orçamento, precisa ficar atento aos preços dos materiais escolares, que tiveram uma alta entre 30% e 40%. 

O empresário Vantuir José dos Santos, com duas papelarias na cidade e há 25 anos no ramo, relata que os valores tiveram reajustes significativos ao longo de 2022.

— Ao longo do ano, os preços foram reajustados quase que mensalmente. Os aumentos, em comparação com igual período do ano passado, ficam entre os 30% e 40%. Hoje, estou trabalhando ainda com produtos comprados no meio do ano e como a demanda sobe a cada dia, talvez haja necessidade de renovar os estoques, o que poderá causar algum aumento em certos itens — avalia o empresário. 

Pesquisa

Com os preços altos é preciso buscar alternativas para economizar na hora das compras. Uma das alternativas é reaproveitar materiais do ano passado que ainda estão em bom estado, além de fazer a tradicional pesquisa de preços. 

A dona de casa, Zuma Silva, sempre antecipa as listas oficiais e já compra o básico ainda no mês de dezembro. 

— Faço minha pesquisa e já compro o básico, pois assim ganho em tempo e sobra um pouco de dinheiro, pois acho itens com preço mais em conta — relata. 

Algumas amigas tiveram a ideia de comprar em grupo para ganhar desconto nas compras.

— Estamos em quatro pessoas e, juntas, efetuamos uma compra maior, o que nos rende um bom desconto na hora passar no caixa. Isso é conversado previamente com o gerente de loja e já estamos no terceiro ano, comprando no mesmo estabelecimento — contou a diarista, Maria José Alves. 

Orientações

O Programa de Proteção e Defesa do Consumidor (Procon) de Divinópolis publicou algumas referências para quando o consumidor for às compras. Uma delas é que, antes de realizar as compras, é importante que os consumidores pesquisem os itens em diferentes estabelecimentos, considerando o fato de que a variação de preços pode ser grande.

— Também orientamos que seja verificada a possibilidade de aproveitamento de alguns itens do ano anterior e, se possível, realizar compras em grupo para garantir descontos mais vantajosos — detalha a gerente do Procon, Isabela Antunes. 

A gerente também alerta a população com relação à solicitação por parte das escolas de itens de uso coletivo. 

— De acordo com a Lei Federal 12.886/2013, materiais de uso coletivo, como itens de higiene e limpeza, não podem ser incluídos nas listas de materiais fornecidas pelos estabelecimentos de ensino. Os materiais solicitados devem ser para uso exclusivo do aluno — pontua.

Outro alerta importante do Procon é que a unidade de ensino também não pode exigir locais de compra específicos ou que os produtos sejam adquiridos no próprio estabelecimento de ensino, exceto itens que não são vendidos no comércio como livros e uniformes.

Dúvidas 

Em caso de dúvidas, o Procon está a disposição em nossos canais digitais (WhatsApp: 3229-6550 ou e-mails: [email protected] ou [email protected]) ou ainda presencialmente no CAC, localizado à avenida Getúlio Vargas, nº 121, Centro.

Coment√°rios
×