Aliança

Preto no Branco

Quem apostou sobre o apoio do governador Romeu Zema (Novo) a chapa do pré-candidato à reeleição para presidente Jair Bolsonaro (PL), perdeu. Fato confirmado nesta semana com a visita do pré-candidato do mesmo partido de Zema, o cientista político Luiz Felipe D’Avila a Belo Horizonte. Ele veio a Minas lançar oficialmente a chapa com o deputado federal Tiago Mitraud. D’Avila busca se associar cada vez mais ao governador Romeu Zema em campanha eleitoral que promete ser a todo vapor logo após as convenções partidárias. O cientista político ironizou ao dizer que outros postulantes ao cargo mais importante do país buscam se associar ao governador mineiro, mas “podem tirar o cavalinho da chuva”, pois este já declarou seu total apoio a ele. Informações de bastidores dão conta de que há um trabalho consistente para que ele seja o nome da terceira via que muitos brasileiros estão buscando ou esperando. Não há dívida que é democrático, salutar e esperançoso. 

Virada? 

Há quem creia piamente de que “o raio não cai no mesmo lugar duas vezes”. No entanto, muitos afirmam que com o futebol e a política é diferente. É apostando na segunda hipótese que o pré-candidato do Novo não vê dificuldade de crescer nas pesquisas eleitorais — tem aparecido com 1% ou menos nos levantamentos. Na sua opinião, os eleitores ainda não estão com a atenção voltada para as eleições. Para D'Ávila, a eleição só vai entrar no radar em meados de agosto. Se for levar em conta que o brasileiro deixa tudo para os 45 do segundo tempo, ele tem razão. Mas não é só isso. Todos envolvidos em torno do seu nome, especialmente em Minas, segundo maior colégio eleitoral do Brasil, acreditam que seu destino será o mesmo de Zema quando entrou na disputa para o governo de Minas. Do quinto, quarto e terceiro nas pesquisas para a virada e a vitória. E por que não? Quem se arrisca a dizer o que vai dar em uma disputa eleitoral ou como terminará um jogo de futebol é doido ou sem noção. 

D’Ávila II

Outro sobrenome D’Ávila promete ser presença constante e forte nas eleições em Minas Gerais, só que em outra chapa. E não é qualquer uma. A principal adversária de Romeu Zema na disputa. A do ex-prefeito Alexandre Kalil (PSD). Ele contratou o marqueteiro Juliano Corbellini para sua campanha eleitoral. E a nova equipe de marketing terá ninguém menos que a ex-deputada gaúcha Manuela D’Ávila para coordenar a área digital. Desde quando os marqueteiros Alexandre Oltramari e Chico Mendez deixaram o comando da campanha, no fim do mês passado, Kalil busca um novo nome para assumir o posto. O gaúcho Juliano Corbellini é conhecido por coordenar campanhas vitoriosas em disputas em todas as esferas. Isso mostra que Kalil, presença confirmada em evento amanhã em Divinópolis, não entrou na disputa por entrar. 

 

Descartou 

A ex-deputada Manuela D’Ávila foi cogitada para disputar uma vaga ao Senado pelo Rio Grande do Sul, na chapa do PT, mas descartou entrar em qualquer disputa em 2022. Sua última participação foi nas eleições de 2020, quando saiu derrotada do embate pela prefeitura de Porto Alegre. Todo mundo precisa de um tempo sabático, ainda mais em um meio tão pesado e mesquinho. 

Modernas 

As novas urnas (UE 2020), consideradas mais modernas, arquitetura diferente, seguras e rápidas, já foram apresentadas. O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) adquiriu 224.999 unidades deste modelo, que serão usadas em todos os estados. E bota modernidade nisso. A urna traz um novo processador, 18 vezes mais rápido do que o modelo anterior. O eleitor agradece, visto que o processo de votação será muito ágil. Porém, muitos precisam ficar espertos, se não eles é que vão perder o tempo exigido pelo equipamento. Além disso, as novas urnas poderão agilizar o tempo de transmissão e a totalização dos votos. Só falta alguém começar a falar que a mudança vai favorecer as fraudes. Aí dá realmente vontade de “jogar a toalha”. 

Comentários
×