A cultura em entender o espaço do outro

Welber Tonhá 

 

A cultura em entender o espaço do outro 

É muito fácil e cômodo hoje em dia olhar somente para si, querer que sua vontade seja sempre predominante e que o seu “Eu” seja enfim, o centro das atenções. Claro, esse seria o mundo ideal para muitos, porém, quando se vive em sociedade, em família, entre amigos ou em um relacionamento afetivo, estamos vivendo em comunhão, compartilhando vivências e experiências ‒ sendo assim, o equilíbrio se faz necessário para uma convivência plena e saudável.

 Não podemos pensar que tudo tem que ser do nosso modo, do nosso querer ou de acordo com nossas expectativas, mas, em muitas situações, é assim que pensamos, que queremos ou esperamos, do nosso jeito. 

Precisamos entender o espaço do outro, o espaço que pertence ao outro, o espaço que o outro tem em nossa vida e o espaço que ocupamos na vida dele. É simples a regra que ultrapassa gerações: ofereçamos o que se espera do outro, assim a vida fica mais fácil. O outro a que me refiro é todo e qualquer indivíduo que vier a participar de nossa vida, seja conhecido, colega, familiar, amigo ou sua companhia afetiva.  Entender o espaço do outro é uma cultura pouco utilizada em uma sociedade que confunde a autovalorização (necessária) com eufemismo (desnecessário). Ou aprendemos (e falo por mim, inclusive) a conviver com equilíbrio entre o que eu quero e o que o outro quer, entre onde posso entrar no espaço do outro e o quão do meu espaço ofereço, o quão estou disposto a ceder para melhor conviver. Enfim, ou vivemos em comunhão ou teremos uma sociedade fadada à guerra até a própria extinção.



Alguns trechos de frases e poemas sobre o outro

 

Queres viver alegremente? 

Caminha com dois sacos, um para dares, outro para receberes.

(Johann Goethe)

 

O amor é uma intercomunicação íntima de duas consciências que se respeitam. Cada um tem o outro como sujeito de seu amor. Não se trata de apropriar-se do outro.

(Paulo Freire)

 

Um corpo quer outro corpo.

Uma alma quer outra alma e seu corpo.

Este excesso de realidade me confunde.

(Adélia Prado)

 

O espaço que me é dado

tenho todo ele ocupado

Sem tê-lo extrapolado 

E quando distante, tenho ansiado

Logo  estar ao seu lado

Com o olhar aproximado

Em seus braços acomodado

Me torno acalantado.

(Welber Tonhá)



Sorriram um para o outro. 

E tudo estava certo, outra vez, e tudo tinha um gosto bom.

(Caio Fernando Abreu)

 

Halloween do Estrela

A festa de Halloween mais tradicional da cidade acontece amanhã, a partir das 18h30h, na sede urbana do Estrela do Oeste Clube (rua Rio de Janeiro, 258, Centro). Entre as atrações estão Seu Gouveia, Bloco dos Caveiras e as DJs Duda e Nanda. Os ingressos para não sócios são limitados e todas as devidas precauções estão sendo tomadas para que seja uma festa animada e segura. 



Zeppelin 

A festa do Bloco dos Caveiras continua na sexta. Assim que a festa no clube acabar, seguiremos para o show do Retrô Visor no Zeppelin Music Beer (rua Pitangui, 805, Bom Pastor).

 

Halloween do Bar da Claudete

O Bar da Claudete, tradicional point dos artistas e produtores culturais, promove amanhã, a partir das 19h30h, o Halloween da Claudete com o DJ Vic Mars – couvert a R$5,00 na rua Paraíba, 654, Centro.



Tem pauta para sobre a cultura? Envie para [email protected]

Welber Tonhá e Silva 

Historiador, escritor, pesquisador, fotógrafo e fazedor cultural.

Instagram: @welbertonha

 

Comentários
×