‘Me atacou de forma covarde’: líder do governo se defende de críticas

Edsom pretende fortalecer base do governo em prol da cidade

 

Matheus Augusto

O líder do governo na Câmara, Edsom Sousa (Cidadania), se defendeu, na tarde de ontem, das críticas feitas pela vereadora Ana Paula do Quintino (PSC) na última quinta-feira, 31. Na oportunidade, Ana Paula questionou a sua ausência na discussão que aprovou o aporte financeiro ao Consórcio TransOeste e a falta de diálogo entre Executivo e Legislativo. O vereador deixou a reunião por motivo familiar.

— Nunca fugi do bom debate. A senhora foi no mínimo injusta comigo, para não dizer outras palavras — afirmou.

Edsom lembrou que Ana estava presente quando ele solicitou ao presidente da Câmara, Eduardo Print Jr. (PSDB), permissão para se ausentar do Plenário por motivos de urgência familiar. 

— Você estava presente quando pedi para me ausentar porque o meu neto foi internado. Você foi deselegante com a minha dor. A senhora me atacou de forma no mínimo covarde — criticou.  

O vereador também apontou para o fato de a vereadora ter assinado a inclusão do projeto de autorização do aporte.

— Eu nunca teria a irresponsabilidade de incluir o projeto que eu não tenho segurança jurídica. Sua assinatura está aqui. A senhora assinou a inclusão e me atacou em um momento de dor, em que eu estava vulnerável. (...) Eu tenho família, Ana Paula. Não estou preocupado com eleição. Eu construí uma família, sei o valor de uma família nesse momento, sei o que estamos passando — disse o edil. 

Edsom disse, ainda, que a vereadora nunca o procurou para esclarecimentos sobre a proposição.

— Quando você pediu minha orientação? Qual dia você me procurou? — questionou. 

Mesmo mencionada, Ana Paula não solicitou direito de resposta.

O parlamentar chegou a cogitar deixar a liderança do governo, mas após se reunir, na segunda-feira, com o prefeito e vice, decidiu permanecer. Segundo ele, o objetivo é fortalecer sua posição e unir a bancada da base para “o bem e para a democracia”. Edsom também defendeu uma oposição justa e saudável.

 

Pediatras

A reunião também foi marcada pela crítica apresentada por Hilton de Aguiar (MDB). O vereador contou que, ao visitar a Unidade de Pronto Atendimento (UPA), notou grande número de crianças à espera de atendimento. 

— Vi o tanto de crianças que estão indo para a UPA. [As famílias] Disseram que nos postos da cidade não está tendo pediatras — justificou. 

A resposta do Executivo veio durante o pronunciamento de Eduardo Azevedo (PSC). Ele citou reportagem da Isto É que aponta para a defasagem nacional do número de pediatras, tanto no Sistema Único de Saúde (SUS) quanto na rede particular. 

— A baixa remuneração e a necessidade de estar constantemente disponíveis estão levando especialistas a deixar de atender as crianças. Existe uma defasagem nacional do número de pediatras, que não atinge somente o sistema público, mas também o particular e os planos de saúde — defendeu. 

No Brasil, citou o vereador, existem aproximadamente 38 pediatras para cada 100 mil habitantes. Em Divinópolis, a especialidade conta com dois profissionais na UPA e sete na atenção primária, com média de 1 pediatra para cada 26 mil moradores. 

— Tem vereador que vai para a porta da UPA gravar vídeo e bater na atual gestão. (...) Estamos longe do que precisamos, mas a nossa média municipal está além da média nacional — avaliou. 

Eduardo ainda lamentou que o vereador não tenha enviado, antes de dar visibilidade ao tema, um ofício à Secretaria de Saúde (Semusa) para esclarecimentos. O irmão do prefeito também destacou que, após as 18h, “não existem pediatras na rede particular.”

 

Filiações

Os vereadores aproveitaram a reunião para anunciar as mudanças ou permanência partidárias. Presidente municipal do Cidadania, Josafá Anderson parabenizou a continuidade de Edsom no partido. 

— O Cidadania agradece. Muito feliz por estar conosco no Cidadania o vereador Edsom Sousa, um patrimônio da política — afirmou. 

Já Diego Espino oficializou sua mudança do PSL para o PSC, sigla do deputado estadual Cleitinho Azevedo, do prefeito Gleidson Azevedo e do vereador Eduardo Azevedo.

— Um partido cristão, com princípios. (...) Vamos nos unir em prol da cidade para fazer a grande de Divinópolis que queremos — destacou.

Por fim, o líder do PV, Rodyson do Zé Milton, celebrou a filiação de Lohanna França, que deixou o Cidadania. Segundo o vereador, Lohanna terá liberdade para expressar críticas à atual Administração e exercer sua função de forma independente. 

— O PV está livre, não tem oposição nem situação de governo. A Lohanna terá liberdade de convicções e ideias críticas ao governo. (...) Precisamos de um trabalho coletivo de união à cidade, mas também compreendemos pontos críticos — frisou.

Rodyson também confirmou a indicação de Lohanna como pré-candidata a deputada estadual.

O presidente da Mesa Diretora, Print Jr., pediu cuidado aos vereadores em seus pronunciamentos sobre a eleição deste ano para que não firam nenhuma regra eleitoral.

— Tomem cuidado com o período eleitoral para não anunciarem decisões precipitadas — pontuou, ao citar que as reuniões são transmitidas ao vivo.

Comentários
×