É dinheiro!!!

É dinheiro!!!

As convenções partidárias para a escolha dos candidatos começam no fim deste mês, se estendendo até o início de agosto. Por enquanto, as pessoas que colocaram seus nomes à disposição dos partidos são apenas pré-candidatos. No entanto, parece que as propagandas eleitorais, permitidas dentro do seu prazo, começaram há muito tempo. Todo dia aparece um anunciando a chegada de emendas, tanto quem ocupa cargos atualmente quanto quem apenas pretende. Basta acompanhar as redes sociais ou fazer parte de alguns grupos de WhatsApp para se deparar com tanto dinheiro chegando. Neste sentido, algumas questões são intrigantes. Essa grana realmente chegou ou é só “engana bobo”? Se sim, por que somente agora, justamente meses antes das eleições? Com a análise, o eleitor. 

Cofres cheios? 

As emendas parlamentares são as palavras da vez. Com tanta gente prometendo ou anunciando, se todos os pretendentes a disputar os cargos de deputado federal ou estadual conseguirem destinações para Divinópolis, os cofres das Prefeitura vão ficar estufados. Isso porque o número de pré-candidatos ainda continua na casa dos 22, 23. Já pensou? Com dificuldade para atender todas as demandas, o prefeito Gledson Azevedo (PSC) não precisaria se preocupar até o restante do seu mandato. Teria recursos suficientes para realizar todas as obras necessárias e muito mais. Pena ser sabido que toda essa movimentação nas redes sociais não passa de intenções eleitorais. O povo embarca nas ideias sem apurar a veracidade e acaba como sempre foi: “fica a ver navios”.

Dramaturgia 

Quem ganha neste momento de “campanha escancarada” é a população, porém não recebendo benefícios — claro que um ou outro chega, não tudo que é prometido —, mas aquela que não perde um drama na teledramaturgia. São tantos vídeos com cenas melancólicas, situações inusitadas e imitações do Pinóquio, que ganham tranquilamente de uma novela ou de uma série. Assim, além da TV, quem gosta deste tipo de apresentação, com certeza ganhou atrações a mais em seu dia a dia. Pena que como nas exibições normais das TVs, não passam de situações fictícias. 

Só o lugar 

Parte dos espetáculos citados acima, neste momento, só mudaram de lugar: do Plenário da Câmara para as ruas ou eventos. Com o recesso parlamentar do Legislativo, os shows de alguns vistos nas terças e quintas-feiras podem ser vistos normalmente nas redes sociais. Incrível como os locais são estratégicos e os personagens envolvidos nas cenas visam à comoção. Montagem perfeita. O vereador pelo Rio de Janeiro, Gabriel Monteiro, que o diga. Ídolo na internet, montava todas as cenas para comover o povo, segundo denúncias. Uma pena que poucas pessoas percebem. 

Era esperado 

A redução na alíquota do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), que incide sobre serviços básicos, como combustível, energia elétrica e telecomunicações, caiu como uma bomba em estados e municípios. Divinópolis, por exemplo, conforme levantamento do Agora na edição desta terça-feira, vai perder cerca de R$ 30 milhões. Claro que, como se trata de dinheiro, os chefes do Executivo não iriam deixar barato. E não deu outra. Prefeitos de cidades de todo o país se mobilizaram ontem, contra a mexida no ICMS e as outras medidas que afetam a arrecadação dos municípios. Os protestantes chamam a decisão do governo de “irresponsável”. Possivelmente, não dará em nada, porque a decisão já foi tomada. Até porque, é sabido que, no Brasil, para beneficiar um setor, outro tem que ser sacrificado. 



Comentários
×