Vacina no sistema drive-thru termina hoje

Município diz que não é responsável por definir quem será ou não vacinado e a ordem de prioridades

Matheus Augusto

Termina hoje o terceiro dia da vacinação dos profissionais da saúde de Divinópolis fora da linha de frente da covid-19. O processo começou no sábado, 20, foi reiniciado ontem e será finalizado hoje. Ao todo, 1.300 doses foram disponibilizadas para o grupo. Agora, os demais profissionais que realizaram cadastro no site da Prefeitura aguardam a chegada de mais lotes de imunizantes para sem convocador a receber a vacina. 

Em reunião na Câmara, entretanto, o secretário Municipal de Saúde, Alan Rodrigo da Silva, informou que há possibilidade da chegada de mais doses nesta semana.

Portas abertas

O Agora acompanhou o primeiro dia de vacinação. Na oportunidade, o secretário de Saúde avaliou como positivo o formato de drive-thru montado no Centro Administrativo.

— Num balanço geral, eu diria que foi bem tranquilo, bem organizado, a fila fluiu da maneira como a gente havia programado e as pessoas vieram próximo do horário marcado na fila eletrônica — destacou.

No sábado, foram aplicadas 400 doses. Ontem e hoje, mais 900. O líder da pasta voltou a destacar a estrutura montada para evitar fura-filas e fraudes durante o processo.

— A pessoa faz o cadastro que gera uma data e horário. Ela deve trazer todos os documentos comprobatórios. Se for profissional, documento profissional e sua vinculação na atividade que trabalha. Se não for profissional classista, comprovação do vínculo empregatício de que está atuando. Ele passa por uma triagem anterior em que a gente verifica os documentos se condiz com a verdade declarada na inscrição da fila. Caso não condiga com a verdade, essa pessoa é retirada da fila e não se vacina. As demais que comprovam essa aptidão seguem para o drive-thru e são vacinadas — detalhou.

O número de doses, porém, não é suficiente para imunizar todos os profissionais de saúde, que aguardam na fila pela convocação. Até sexta-feira, o site já havia computado quase 5 mil cadastros.

— Nada mais é do que uma fila eletrônica, por ordem de chegada. Para exemplificar, o número 1.301 é o próximo, assim que a gente receber novas doses de vacina pelo Ministério da Saúde. Estamos ansiosos por isso, temos provocado o Estado e a União constantemente para melhorarem esse abastecimento para que a gente consiga avançar na cobertura das populações — afirmou o secretário.

Dificuldades

O cadastro para profissionais de saúde foi aberto na quinta-feira, 18, data em que o sistema ficou, por algumas horas, fora do ar. Nas redes sociais, quem tentava agendar sua imunização se frustrou. Mais tarde, a Prefeitura explicou ter sofrido um ataque cibernético que, no fim da noite, foi parcialmente solucionado. Representantes do Executivo concederam coletiva na sexta-feira para detalhar o assunto e garantir a seguridade do processo.

As primeiras críticas surgiram após a decisão de alterar o início da imunização de profissionais de saúde fora da linha de frente da covid-19 de quinta para sábado. Em vez de o grupo procurar sua unidade de saúde, foi definido que seria criada uma fila on-line para agendar a vacinação na modalidade drive-thru. O secretário de Saúde, Alan Rodrigo da Silva, justificou a mudança alegando a necessidade de garantir a segurança dos servidores e evitar aglomerações nos postos de saúde. Segundo ele, há registros, em outros municípios, de ocorrências policiais e ameaça à integridade física de quem aplica.

— Porque aquele grupo que ficasse sem vacina poderia acabar se exaltando — explicou. 

Presente na coletiva, a vice-prefeita, Janete Aparecida (PSC), disse ter solicitado a alteração para garantir um processo mais eficiente e seguro, inclusive evitando aglomerações nas unidades de saúde. Ela disse reconhecer o erro e pediu desculpa pelo inconveniente.

— Quando chegou ao meu conhecimento essa situação eu pedi para mudarmos a logística utilizando da tecnologia para fazer o cadastro — citou.

Segundo Alan, atualmente, os servidores já são “assediados” durante a vacinação por pessoas que buscam furar a fila.

Definição dos grupos

A vice-prefeita, Janete Aparecida (PSC), destacou também que o Município não é responsável por definir quem será ou não vacinado e a ordem de prioridades. 

— O Plano Nacional de Imunização (PNI) define quem serão vacinados, através do Ministério da Saúde. Não somos nós, em Divinópolis, que determinamos qual o grupo que será vacinado — detalhou.

Processo

Os representantes garantiram um processo rígido e transparente para evitar fraudes. O secretário de Saúde explicou que quem não comparecer na data e hora agendados terá que fazer um novo cadastro. O processo também é planejado para evitar a vacinação sem o conteúdo do frasco, como ocorrências registradas em outras cidades.

— Criamos um protocolo de vacinação em que o frasco é aberto na frente da pessoa, aspirado na frente da pessoa e aplicado — detalhou Alan Rodrigo.

Ritmo

Criticado nas redes sociais pela lentidão na aplicação das doses, o secretário explicou:

— É para que não haja nenhuma maneira de burlar. Isso demora um pouco, tempo. (...) A vacinação poderia ser mais rápida, mas não seria possível conferir as informações dos vacinados — destacou.

Transparência

Sobre as críticas de vereadores diante da falta de transparência, o líder da pasta respondeu que a possibilidade de divulgar os nomes dos vacinados, ou mesmo as iniciais, foi discutida. Porém, a exposição poderia gerar ações e processos contra o Executivo. Apesar disso, ele reforçou ter enviado ao Ministério Público (MP) todo o material de transparência.

— A gente entende que o processo está transparente, dentro da legalidade — explicou, citando que o órgão não se manifestou ou fez qualquer provocação.



 







Comentários
×