Saúde domina discursos na Câmara

Matheus Augusto

Na reunião da Câmaradesta quinta-feira, um tema perpassou quase todos os discursos: a Saúde. Os parlamentares destacaram a necessidade de melhorias na área, a falta de recursos e fizeram denúncias. Entraram dois projetos para apreciação, porém apenas um foi votado, e segue agora para sanção ou não do prefeito Galileu Machado (MDB).

Votação

O primeiro, de autoria de Matheus Costa (CND), recebeu 14 votos favoráveis – e nenhum contrário.A proposta obriga o Executivo a transmitir, em seu site oficial, todas as licitações realizadas. As gravações, em áudio e vídeo, também deverão ser disponibilizadas para o acesso da população. O objetivo é dar transparência ao processo.

O segundo, protocolado por Roger Viegas, altera o horário de funcionamento dos radares eletrônicos na cidade. Com isso, entre as 5h e 23h, durante todos os dias da semana, o equipamento deixaria de registrar as infrações dos motoristas. No entanto, o vereador Matheus Costa pediu o direito de fala e disse ter entrado em consenso com o autor para fazer ajustes na proposta. O pedido de vista de sete dias foi acatado pela Mesa Diretora.

Saúde

Antes do início dos pronunciamentos dos vereadores, o presidente da Comissão de Saúde, Meio Ambiente e Ciência, Renato Ferreira (PSDB), leu um ofício enviado pela Secretaria Municipal de Saúde (Semusa). O documento apresenta respostas aos questionamentos feitos por Sargento Elton (Patriota), na reunião desta terça-feira, 11. Na data, o edil pediu que o presidente da comissão averiguasse o contrato do Instituto Brasileiro de Desenvolvimento Social (IBDS) com a Unidade de Pronto Atendimento (UPA).

— Tenho encontrado aditivos que estão sendo feitos na empresa ganhadora da licitação da UPA e tenho ficado preocupado,porquecom os aditivos que têm sido feitos ultimamente, praticamente, está ficando no mesmo valor da outra empresa que estava anteriormente. Estoupreocupadode as contas não fecharem — afirmou Elton.

Em resposta, a Semusa colocou o contrato, na íntegra, à disposição dos parlamentares.

— Informamos que não nenhum aditivo foi feito no referido contratado e que os processosse encontram na íntegra nesta secretaria para consulta e apreciação dos senhores — explicou.

Ao ter o direito de fala, o vereador Sargento Elton (Patriota) agradeceu ao presidente da Comissão de Saúde por ter averiguado as informações e prometeu continuar acompanhando a nova gestão.

Dengue

A Saúde continuou sendo abordada nos discursos durante a reunião. O primeiro a abrir os pronunciamentos foi Dr. Delano (MDB). O edil ressaltou a importância de os moradores evitarem o acúmulo de água em suas residências.

— Cada ano, a gente está assumindo um risco dentro da nossa casa. Para acabar com a dengue de verdade, todo mundo tem que fazer um pedacinho. E a gente tem que olhar do vizinho ainda. Porque, se a gente chegar lá e ver que ele não tem orientação, temos que orientá-lo — recomendou.

Ao Agora, a Semusa informou que, até o momento, 36 casos suspeitos da doença foram registrados, sendo nove confirmados e quatro descartados. O restante continua sob análise.

UPA

Quem também abordou o tema foi o vereador Josafá Anderson (PSD), que voltou a citar a UPA. Segundo ele, o secretário de Estado de Saúde, Carlos Eduardo Amaral, tem se mostrado descompromisso com a cidade.

— A gente vê a Semusa fazer milagre, mediante a falta de repasses do governo estadual. (...) o secretário de Estado, Carlos Eduardo, pegou um governo arrebentado, mas ele tem a obrigação de dar um jeito nas coisas. Divinópolis não pode pagar as contas do Estado. O Estado deve, apenas para a UPA, quase R$ 4 milhões — argumentou.

O vereador ainda deu detalhes sobre o encontro que teve com o prefeito Galileu Machado na quarta-feira.

— [Divinópolis] precisa do dinheiro que está retido no governo do Estado.Quero lançar um desafio ao governo de Estado que pague o dinheiro devido a UPA. Conversei ontem [quarta] com o prefeito, se ele [secretário estadual] fizer o que é de direito, não os R$ 40 milhões que está devendo Divinópolis, mas apenas os R$ 3,8 milhões que é o repasse da UPA, o prefeito se comprometeu a reformar a unidade [de saúde] do Serra Verde — contou.

Denúncia

O vereador Roger Viegas (Pros), em seu discurso, destacou a luta de uma mãe para obter o medicamento para sua filha, de 9 anos. Ele contou ter se encontrado com a senhora na Superintendência Regional de Saúde (SRS).

— Me deparei com o caso de uma senhora que estava lá reivindicando remédio para sua filha, conquistadodo governo do Estado via ordem judicial. É um hormônio raro que a filha dela tem que tomar todo mês, sem falta — relatou.

O parlamentar ainda contou que, ao buscar documentos sobre a situação, confirmou que o medicamento foi recebido pela SRS e encaminhado para a Farmácia Central.

— As duas vezes que ela chegou na farmácia, foi maltratada, e os funcionários disseram que, se ela quisesse, abrisse um BO — complementou o vereador.

A primeira informação dada por funcionários da Secretaria Municipal de Saúde (Semusa) era de que o medicamento estava junto com o material furtado no fim de janeiro.

— Os próprios funcionários mostraram o documento confirmado o envio do remédio, só que lá na farmácia estavam atribuindo ao roubo que aconteceu em janeiro. Só que a dispensa do remédio, que é o único que vem para nossa cidade via ordem judicial, foi no dia 5 de fevereiro — ressaltou.

Por fim, o vereador disse que aguardava um posicionamento do secretário de Saúde, Amarildo Sousa, sobre o ocorrido, visto a incoerência entre a data do roubo e a chegada do medicamento. Caso a situação não seja esclarecida, o edil estudar a possibilidade acionar o Ministério Público (MP).

Segundo a Semusa, o medicamento será reenviado pelo Estado, porém sem previsão.

—O secretário de Saúde, Amarildo Sousa, após ser acionado pelo vereador, na noite da última quarta-feira, 12 de fevereiro, entrou em contato com o Governo do Estado. O medicamento que está faltando chegaria em Divinópolis na carga que foi roubada. A Secretaria Estadual de Saúde se comprometeu a enviar o remédio o quanto antes para a cidade— informou a pasta.

Comentários
×