Perda lamentável

Este PB não tem o costume de publicar ou lamentar falecimentos, pois o foco da coluna é criticar. Só que Cidah Viana foi uma mulher extraordinária, que levou alegria a muita gente, principalmente aos enfermos dos diversos hospitais. Ao criar o Doutores Palhaços, Cidah se entregou de corpo e alma, para que as pessoas sofressem menos em seus leitos de hospital. Montou o grupo que aos poucos cresceu e mais alegria levou aos enfermos. Ela própria, infelizmente, viveu um pouco da alegria que criou, recebendo sempre os amigos quando se internava. Que os “Doutores” continuem a obra de Cidah e que prospere a alegria em doses certas nas horas mais difíceis. 

Afonso Gonzaga 

Este trabalhou pela região sem nunca ser candidato a qualquer cargo político. Como presidente regional da Fiemg, Afonso Gonzaga nunca deixou de receber, e levar em frente, os reclames do pessoal da indústria em toda a Região. Até o mês que vem, ainda comandará toda a região, preparando o terreno para que o novo gestor, Paulo César Costa, presidente do Sindicato das Indústrias do Vestuário da cidade de Formiga, pegue a casa em completa ordem. Ele ficará por dois anos e a seguir passa para Marcelo Marcos Ribeiro, presidente do Sindicato do Vestuário de Divinópolis, que ficará no cargo pelo mesmo período. 

Muito difícil...  

...falar sobre os 18 anos que Afonso ficou à frente da Fiemg Regional. Foram anos de intenso progresso e de programas realizados. Com residência em Divinópolis, ele visita frequentemente os filhos que moram em Santa Luzia. Não deixará Divinópolis, onde trabalhou por toda a sua vida, e nem seus amigos, embora continue exercendo um cargo de diretor na Fiesp, onde preside o Sindicato da Indústria da Fundição do Estado de São Paulo (Sifesp). Provavelmente, num futuro próximo, Afonso será pessoa certa na influência política na cidade, o que vinha fazendo nos bastidores sem poder colocar o seu nome por causa do cargo que conduzia. 

Como dizia Chico... 

...Anysio: e o salário óh! Pois é, o governo anunciou, com uma rara antecipação, que todos os trabalhadores do país “terão direito” de receber R$ 1.002,00 a partir de janeiro do ano que vem. Dinheiro e tanto! Hoje, o salário mínimo vale R$ 954 desde 1º de janeiro, só que até o dia 31 de dezembro valia R$ 937. Houve, portanto, um “expressivo” aumento de R$ 17. Mas para 2019 o assalariado terá um pouco mais de alegria, pois terá R$ 48 de aumento, mais ou menos 5% de aumento. Nada mau! Haja bolso para caber tanto dinheiro! 

Falando sério 

Na verdade, o salário mínimo nunca resolveu a vida de ninguém, nunca deixou alguém mais rico ou mais pobre. Com esse dinheiro, fazendo uma boa dieta, vive-se por um mês, mas não se pode falar em aluguel, luz, gás, impostos etc. Mas, em compensação, quem ganha dois salários será obrigado a pagar Imposto de Renda. Pois é, como dizia uma canção antiga e que o brasileiro cantou até com uma certa alegria: “Este é um país que vai prá frente, uou, uou, uou, uou, de uma gente amiga e tão contente uou, uou, uou, uou, este é um país que vai pra frente, de um povo unido de grande valor. É um país que canta, trabalha e se agiganta, é o Brasil do nosso amor!”. O Grupo “Os Incríveis” ganhou o Disco de Ouro com esta ufanista música em 1977. Salve, pois, o nosso querido país, uma terra “que canta, trabalha e se agiganta”. 

Comentários
×