Outubro Rosa

Leila Rodrigues

 

Aqui estamos nós encerrando mais um outubro, mais um Outubro Rosa. E talvez você também seja um dos que ainda estão sem entender direito o seu papel no Outubro Rosa. Pois bem, hoje vamos falar disso!

A campanha iniciou em Nova Iorque em 1990 e no Brasil em 2002. De lá pra cá teve o apoio da mídia e do mundo corporativo e tomou proporções gigantescas sempre conscientizando as mulheres da importância de se prevenir e cuidar. 

Mas aí você pergunta, qual o meu papel nesta campanha?  Como ser um colaborador ativo na luta contra o câncer de mama?

Todos podem colaborar. Homens, mulheres, jovens, velhos. A campanha precisa de todos nós.

A primeira forma de colaborar é instruindo as pessoas que convivem com você e que não tem acesso à informação.

Eu pergunto a você, sua empregada tem feito mamografia? Sua mãe, sua tia? Sua vizinha? Elas sabem o que é o auto-exame?

Converse com elas sobre isso. Questione, instrua com o que você já sabe, oriente a procurar um médico.

A segunda forma de colaborar é através de  doações para instituições e casas de apoio. Pode ser em dinheiro, pode ser mensal, pode ser esporádica, pode ser através de roupas, objetos de uso pessoal, alimentos, roupas de cama, mesa, enfim, há muitas carências e você pode colaborar da forma que for melhor para você com estas instituições. Você também pode colaborar formando um grupo de amigos ou no seu ambiente de trabalho, ajudando quem já está tratando.

E a terceira forma de colaborar é através de uma palavra de conforto, através do seu carinho, da companhia para a pessoa que está passando pelo câncer ou que tem alguém da família nesta situação. Qualquer gesto de solidariedade será para o paciente, um oásis, uma luz, uma força a mais na luta.

E para encerrar, coloco aqui a fala de uma paciente de câncer que me tocou profundamente:

“Dizem que o câncer não escolhe pessoas, ele escolhe sim. Nós, os portadores, somos todas pessoas especiais. Quando um câncer chega, ele chega na pessoa e em todos à sua volta, família, amigos e colegas de trabalho. E faz com que todos tenham pelo menos um olhar diferente para o próximo. Não falo de pena, falo de solidariedade, de colaboração, de apoio, de amor, de humano x humano”, resumiu.  

É isso! O humano que existe em nós, colaborando com o humano que existe do outro lado. É esta a reflexão que cada um pode fazer para se tornar um  colaborador ativo na luta contra o câncer.

leilarodrigues-palavras.blogspot.com.br

Comentários
×