Moro, um juiz duro

Sem mostrar qualquer tipo de intimidação, o juiz Sérgio Moro tem, no possível, tratado o caso Lula como todos os outros que estão sob sua tutela. É claro que grande parte do pessoal que torcia para a prisão do ex-presidente não gostou até agora de pelo menos duas coisas: que ele tenha ido para uma cela mais que especial, ou seja, um dormitório comum e que tenha recebido uma TV para passar o seu tempo com mais tranquilidade.

Ele não é bobo

O juiz sabe muito bem o que está fazendo. Ao acenar com algumas benesses para o cumprimento da pena, as resistências se amainam enquanto os advogados continuam procurando por recursos extravagantes para soltar o prisioneiro mais badalado do país. Assim, adoçando a boca dos petistas, Moro vai levando as coisas até que outras decisões sejam tomadas, inclusive que alguém como Marco Aurélio de Mello resolva apresentar ele próprio, como juiz e advogado de defesa, recursos que só um ex-presidente poderia ganhar de presente.

Este país...

...é mesmo diferente. Na Coreia do Sul, a ex-presidente cassada estava há um ano presa e agora o tribunal deu para ela, por crime semelhante ao de Lula, 24 anos de prisão. Ela apareceu no tribunal algemada, assim ficou durante o julgamento e depois conduzida da mesma forma para o presídio. Tem TV, mas em cela especial, por causa da “importância” do cargo. Aqui, ao dar a ordem não cumprida de apresentação com hora certa, Moro fez questão de ressaltar que algemas não poderiam ser usadas em qualquer circunstância. O apenado não somente não cumpriu o determinado, como fez toda a festa junto aos seus seguidores, registrando para filmes de campanha a sua fala mais que instigante, novamente xingando o juiz, mas se abstendo de falar qualquer coisa sobre os tribunais superiores, que certamente o julgarão nos seus futuros recursos. Só que Moro ainda tem mais três processos contra o petista, que podem lhe render mais uns 30 anos de xadrez, “ou de cela especial”. O tempo se incumbirá de dizer se as medidas foram certas ou não. Fico achando que ele acertou em tudo até agora.

A Seta acertou no alvo

Não sei quem é o dono ou donos da loja Seta Esportes, que fica na rua Minas Gerais, no Centro da cidade. Seja quem for, colocar a camisa do Galo principal oponente do Cruzeiro como tapete, na porta da loja, foi um desrespeito sem tamanho e, se algum atleticano mais inflamado houvesse feito qualquer bobagem ou se vier a fazer, que não chorem pelo leite derramado. Vi a foto, achei escandalosa e, em princípio, pensei tratar-se de uma brincadeira. Postada, viralizou e por certo não agradou a ninguém. Nem mesmo os cruzeirenses acharam tanta graça assim. Um tiro no pé como propaganda, e o seu dono, talvez um cruzeirense inconsequente, melhor que pense nas próximas partidas, pois futebol é um jogo, e não uma brincadeira. Entre Galo e Cruzeiro, não existe lugar para brincadeiras. Este espaço tem o nome de Preto no Branco, não por causa do Atlético e, sim, porque aqui se fala o que tem que ser dito, “duela a quien duela!”

Ele está certo

O vereador Sargento Elton está corretíssimo ao apresentar projeto que exige dos futuros secretários um diploma de curso superior para assumir um cargo de envergadura municipal. De preferência que o curso tenha ligação com a função, pois a negociação política para alocar companheiros deixa mutilada a administração. Para tomar conta de uma pasta qualquer, o candidato tem que ter currículo. Já para ser vereador ou presidente, pode ser até analfabeto, certo?!

O vereador...

...tem a nobre missão de vigiar o Executivo, como os deputados estaduais e federais. Não se pode exigir diploma de ninguém que corre atrás do voto, pois aí é o povo que escolhe. Elton é capacitado para função, tem anos de bons caminhos trilhados, uma notável experiência em vários assuntos e pode, sim, exigir que aqueles que serão nomeados pelo prefeito tenham, no mínimo, qualificação para o cargo.

Comentários
×