Medo

Provavelmente não seja medo e, sim, pavor. Quando um ministro do STF, repetidamente, faz exatamente o que o povo não deseja ou não aprova é porque algo não deve estar certo. Que não se fale de Gilmar Mendes, este completamente sem moral junto a todos que o cercam, inclusive seus colegas de tribunal. Por onde ele anda, no Brasil ou no exterior, é constantemente hostilizado. A imprensa, e quem atua no meio jurídico, já dividiu as duas turmas do STF, em proporções iguais: uma que condena e a outra que absolve ou “quebra galhos”.

A primeira turma...

...é a considerada como a que gosta de soltar e dar liminares em qualquer processo que lhe pareça interessante para os seus “bens”. Sejam pessoais ou não. Parece que existe ali um consenso: se for para condenar ou manter preso alguém ligado à Lava Jato, que alguma coisa preciosa, como habeas corpus, mudança de presídio etc., pode ser concedido. Mas, se for para manter o que eles mesmos já decidiram, entra a...

...segunda turma

Composta por Rosa Weber, Luiz Fux, Luiz Roberto Barroso, Edson Fachin e Alexandre de Morais, parece mais disposta a cumprir apenas o que diz a Constituição e os acórdãos que o Pleno do Tribunal decidiu, isto é, o que os 11 decidiram. Para a imprensa e grande parte de juristas, Celso de Melo, o mais velho dos juízes, ficou meio que sem lado, pois já não tem decisões voláteis, está seguindo uma linha diferente de sua postura costumeira. Lewandowski e Toffoli sempre deram a pinta de que são petistas roxos e o que vier a favor do partido que defendem ou defenderam, será por eles aprovado. A incógnita ficou com o outro Mello, Marco Aurélio, que foi nomeado pelo primo Fernando Collor em junho de 1990, mas, depois que sua filha Letícia Mello foi nomeada por Dilma em março de 2014 para o TRF, derrubando alguns nomes importantes que estavam à sua frente, a “frente” petista do tribunal ganhou mais um aliado importante.

Assim...

...que não se duvide de nada que possa ser decidido ou apresentado ao tribunal, pois dependendo onde “cair” o pedido ele será aceito sem ressalvas. Gilmar é o campeão das solturas. O povão não acredita naquele que deveria ser o seu maior tribunal, mas fazer o que se eles, ministros e seus filhos são nomeados pelo presidente de plantão? Com certeza, entre uma pessoa qualquer, por mais importância que tenha, ou que mais riqueza tiver acumulado, não será páreo quando a decisão envolver o interesse de quem nomeou o ministro que teve a “graça” de receber o processo. Derrota certa. Uma pena!

Este PB...

...está muito além (ou aquém) das decisões tomadas pelos tribunais onde os presidentes e governadores mandam e estão acima da lei. Isto aqui não é uma discussão, não se trata do comentário de nenhuma jurisprudência, é apenas o ponto de vista de um jornalista que viveu e vive as agruras de quase 50 anos escrevendo, dando opiniões, não se omitindo. Não se trata de acusações, apenas de pontos de vista que, certos ou errados, parecem coincidir com a opinião geral de que, enquanto não houver nomeações por concurso e por tempo certo, nada mudará. Todos os atuais esperarão os 75 anos de idade para serem expurgados. Até lá, só sabe Deus!

Corrigindo o erro?

A empresa SetaSports, que vende material esportivo para todos os gostos, teve ou deixou ter uma ideia infeliz de dentro da própria loja. Deixou que uma camisa do Atlético Mineiro servisse de piso na entrada da loja numa afronta aos torcedores do Galo que haviam perdido a final do mineiro no dia anterior. Ontem, em um programa esportivo da TV Integração, pediu desculpas pelo deslize, mas não explicou o porquê do feito nem as providências que irá tomar. O anúncio, com certeza, ficou muito mais caro que a camisa pisoteada, e o nome da loja não deve estar sendo bem considerado pelos atleticanos. Isto é o que se chama de tiro no pé.

Comentários