Mário Teles expõe em BH

 

Jorge Guimarães  

A mostra Modernos Eternos tem características muito próprias. Tudo está à venda, desde os móveis, os objetos de arte até o talento dos profissionais que projetam seus ambientes. E um destes profissionais, escolhidos a dedo, é o divinopolitano Mário Teles, que teve três obras selecionadas para compor a decoração de interiores. 

Os trabalhos do artista são voltados para manifestações culturais como Folia de Reis, Guarda de Reis e Guarda de Santos Reis. Em especial, a obra em destaque, “Guarda dos Reis”, esculpida em dupla face, os dois lados da madeira.  

Exposição 

A intenção principal da Modernos Eternos é dar espaço para profissionais e fornecedores, não só para a exposição de seus trabalhos, mas para a possibilidade real de sua comercialização, incrementando, assim, com esta nova proposta, o mercado de arte, design, arquitetura e toda a cadeia com seus lançamentos anuais. 

Com esses objetivos, o evento chega a Belo Horizonte a partir da próxima terça-feira, dia 12, e termina no dia 24.  O imóvel de estilo brutalista, localizado no Clube dos Caçadores, no Mangabeiras, vai sediar a terceira edição da Modernos Eternos. 

Proposta 

Para o público, a proposta é oferecer uma nova experiência, a possibilidade de visitar um ambiente que não é um museu, não é uma galeria de arte, mas é um espaço que oferece estímulos similares sob uma perspectiva cultural diferente.  

Em cada uma das salas, uma recepcionista-monitora irá informar sobre a composição do ambiente, destacando os designers que assinam o mobiliário e os objetos, a procedência das peças de antiquários e das obras expostas, dando ênfase aos aspectos históricos de cada uma, como se fosse uma “guia” de um museu. 

 Profissionais

 Criada em 2014 em São Paulo, por Maria di Pace e Sérgio Zobaran, e em Belo Horizonte com curadoria e realização de Josette Davis, a feira terá nesta edição 23 ambientes disponíveis para visitação, assinados por 34 profissionais. 

 

 

Comentários
×