Gerdau confirma paralisação de setor e demissões em Divinópolis

Usina seguirá operando os altos-fornos e aciaria e atividades administrativas

Jorge Guimarães

O presidente da Gerdau, Anderson Willian, confirmou 22 demissões no setor de laminação na unidade de Divinópolis. A confirmação foi feita também pelo Sindicato dos Metalúrgicos, que afirmou ainda que a paralisação deverá durar de um a dois anos.

O sindicato deixa claro que não concorda, pois entende do que é possível remanejar os trabalhadores, em vez de demitir.

O presidente do sindicato fala que a empresa quer fazer implementação de termo fixo na unidade porque o setor que vai fechar tem ao todo 63 trabalhadores. Desses, garante, manterá 41.

O sindicato não quer que estas demissões ocorram, porque ao longo dos meses a empresa já fez algumas demissões. O sindicato teria uma reunião com a Gerdau ontem, mas ela foi remarcada para a hoje, possivelmente às 16h, nas quais essas questões serão discutidas.

Posição da Gerdau

A Gerdau emitiu comunicado ontem pela manhã, se posicionando sobre a paralisação da área de laminação. Na nota, a empresa confirma a paralisação da área de laminação da Usina Divinópolis e transferência da produção para outras usinas, mantendo seu patamar atual de produção de laminados no Brasil e o atendimento aos clientes. A decisão, segundo as informações, é decorrente da necessidade de melhorar de seus ativos em função do atual cenário econômico nacional, especialmente relacionado ao setor da construção civil e dos desafios da indústria do aço vivenciados no Brasil e no mundo.

Contudo, os altos-fornos e a aciaria continuam em atividade. A usina de Divinópolis seguirá operando os altos-fornos e aciaria, assim como manterá as atividades das áreas administrativas.

A produção remanescente será direcionada, principalmente, às exportações. A redução de postos de trabalho foi o último recurso da empresa após a tomada de uma série de medidas para evitá-la, encerra a nota.

A usina

A siderúrgica Pains foi instalada em 1953 e em 1994 foi incorporada ao grupo Gerdau. Já teve 661 funcionários no quadro de lotação próprio e 321 terceirizados, num total quase de 1000. A principal atividade da empresa é produção de laminados longos de aço, ou seja, vergalhões e barras mecânicas.  A capacidade de produção anual chegou a 600 mil toneladas que são vendidos para o Brasil e exterior.

O Grupo Gerdau ocupa a posição de maior produtor de aços longos no continente americano, com usinas siderúrgicas distribuídas no Brasil, Argentina, Canadá, Chile, Estados Unidos e Uruguai.

 

Comentários
×