Entidades solicitam abertura total do comércio no próximo sábado

Jorge Guimarães 

No próximo domingo, 10, será comemorado um Dia das Mães como nunca se viu. Normalmente, a data envolve encontros familiares, almoços, presentes, mas, neste ano, com o isolamento social, as celebrações deverão ser restritas e bem diferentes. Com a pandemia do coronavirus instalada há pelo menos dois meses, as mudanças devem atingir diretamente as vendas no varejo, especialmente aquele que não possui presença digital. Mas, para quem já atua no e-commerce, a estratégia já está dando bons resultados com muitos empresários ativando as vendas on-line. 

De acordo com a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), a crise provocada pela covid-19 vai representar uma queda histórica nas vendas no varejo, no Dia das Mães. Em comparação com o ano passado, a entidade estima um encolhimento de 59,2% no faturamento real do setor na data. 

 Divinópolis

Em Divinópolis, em virtude do Decreto 13.771, que regulamenta a retomada de algumas atividades no município de forma escalonada, em razão da pandemia do novo coronavírus, a Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) de Divinópolis não pôde, como faz todos os anos, em parceria com as entidades de classe, formatar o horário especial do comércio para os dias que antecedem a segunda maior data para o comércio varejista.  

Solicitação 

Diante destes fatos e atendendo a pedidos de empresários do comércio, a CDL Divinópolis, junto com entidades  membro do Grupo Gestor, que são Acid, Sinduscon, Fiemg e Sincondiv, protocolou na tarde da última terça-feira, 5, na Secretaria Municipal de Saúde (Semusa), solicitação para análise de abertura de todo o comércio no próximo sábado, 9, véspera do Dia das Mães. Até a tarde de ontem, as entidades aguardavam retorno sobre a possibilidade apresentada.

Data importante 

Segundo o presidente da CDL Divinópolis, Luiz Angelo Gonçalves, o Dia das Mães é a data que mais vende depois do Natal. 

— Com os problemas gerados pelo coronavírus, os lojistas, obrigados a funcionar sob escala de segmentos, ficarão mais uma vez prejudicados financeiramente, especialmente aqueles que não estão autorizados a abrir no sábado, de acordo com a tabela de funcionamento da Prefeitura. A abertura do comércio na véspera é uma possibilidade de recuperar parte dos enormes prejuízos derivados da paralisação — avalia.

Flexibilização

As entidades acreditam que é possível a abertura das lojas no próximo sábado e solicitam à Prefeitura a flexibilização de funcionamento de todo o comércio.

— Esta medida poderá evitar também que os consumidores corram às lojas na última hora para as compras do Dia das Mães. A possibilidade de abertura no sábado facilitará o acesso, dando mais oportunidades à população, de forma a evitar aglomerações. Em Formiga, a Prefeitura atendeu a demanda dos empresários e, após reunião com Associação Comercial e Industrial de Formiga (Acif) e a CDL, flexibilizou o horário de funcionamento para o próximo sábado — informou Luiz.

Restaurantes

Um dos setores mais atingidos foi o de prestação de serviços como bares, restaurantes, lanchonetes e similares. No caso dos restaurantes, neste fim de semana, como em anos anteriores, o cardápio seria especial para receber toda a família para as confraternizações do Dia das Mães. Mas, impossibilitados,  empresários tiveram que focar forte nas vendas on-line e deliverys, ferramentas até então deixadas de lado por muitos deles. Para não ficar sem atender à sua vasta clientela, a empresária Iris Moreira não deixou por menos.

— A sua mãe merece um almoço dos deuses. Por isso, nossa empresa preparou um cardápio especial para toda a família passar esse domingo com amor e, claro, muito sabor. Entre as opções temos o fricassê de frango e a lasanha à bolonhesa, quatro queijos ou a de alho poró. Porém, para não ficar sem, é preciso encomendar  — disse a empresária.

Varejo

Já o varejo vai se moldando à nova realidade do mercado. E a data tão esperada por todos, pelo visto, neste ano, não deve corresponder às expectativas dos empresários, em especial, os dos segmentos de calçados, bijuterias e roupas. 

— Nem é bom lembrar este tempo em que ficamos fechados e muito menos falar em números. Coisa para se esquecer e não viver nunca mais. Com a reabertura escalonada e com a esperança de boas vendas até este sábado, esperamos começar a recuperar o prejuízo até aqui deixado por esta pandemia. E, mesmo com as vendas on-line, aliada à abertura do comércio, eu acredito que vamos dar uma aliviada somente no Natal, assim mesmo apostando na nova coleção primavera/verão que está por chegar — detalhou o empresário do segmento de vestuário Dalmo Vasconcelos.    

Comentários
×