Cruzeiro empata sem gols com o Juventude e aumenta crise antes da chegada de Felip√£o

Ainda comandada pelo auxiliar t√©cnico, Raposa chega ao 4¬ļ jogo seguido sem vit√≥ria. Partida foi marcada pela atua√ß√£o dos goleiros.

Bruno Davi Bueno

O Cruzeiro tropeçou mais uma vez no Campeonato Brasileiro da Série B. Jogando no Mineirão na última sexta, 17, a equipe empatou sem gols contra o Juventude e, com esse resultado, continua na zona de rebaixamento da competição.

Ainda sem Felipão

A Raposa foi comandada pelo auxiliar técnico, Célio Lúcio, ex-zagueiro do clube e membro da comissão interina fixa. Felipão, que assinou contrato até 2022 com o Cruzeiro no último dia 16, acompanhou o jogo de sua casa, no Rio Grande do Sul.

Felipão participou da preleção dos jogadores antes da partida por meio de uma chamada de vídeo apresentada aos atletas. O treinador explicou seu projeto, motivou a equipe por um resultado positivo e disse que está ansioso para começar a trabalhar.

A expectativa é que o técnico já possa comandar a equipe na próxima rodada.

Primeiro tempo é do goleiro cruzeirense

O goleiro Fábio, que antes do jogo recebeu uma placa comemorando seus 900 jogos pelo Cruzeiro, foi decisivo na partida.

No primeiro lance de perigo do Juventude, o meia Renato Cajá levantou a bola na grande área e, após toque de cabeça, o árbitro Dewson Fernando Freitas da Silva, assinalou pênalti enxergando um toque de mão de Rafael Luís. O mesmo Renato Cajá bateu com confiança no canto direito do goleiro Fábio, que se esticou todo e fez uma linda defesa evitando o 1x0. Foi o 31º pênalti defendido pelo arqueiro desde que ele chegou no clube.

Com o pênalti defendido, o Cruzeiro tentou se impor diante do Juventude, porém esbarrava em uma forte barreira de marcação da equipe gaúcha e, numa já conhecida, falta de criatividade para criar as jogadas. Acabou que o primeiro tempo teve sua emoção concentrada nos minutos iniciais, com a parada do goleiro cruzeirense.

Goleiro do Juventude é o melhor na segunda etapa

Se Fábio foi decisivo defendendo o pênalti no primeiro tempo, podemos considerar Marcelo Carné, goleiro do Juventude, como o grande protagonista do segundo tempo.

O Cruzeiro voltou do primeiro tempo sem tanta ansiedade, como era possível ver nos últimos jogos contra Oeste e Sampaio Côrrea. Mais tranquilo, a equipe começou a trabalhar melhor as jogadas e foi quem mais atacou no segundo tempo, contudo todas as vezes o gol esbarrava em um nome: Marcelo Corné. Defesas de puro reflexo ao decorrer da segunda etapa evitaram o gol da vitória do Cruzeiro, que tentava de todas as maneiras tirar o zero do placar. Marcelo foi decisivo ao defender cabeçadas à queima roupa e chutes de longa distância.

A Raposa ainda teve uma grande chance com Régis, que “chapelou” o marcador da equipe gaúcha e, cara a cara com o goleiro, finalizou mal por cima do gol. Similarmente, no último lance da partida, Claudinho desperdiçou o gol da tão sonhada vitória. Grande jogada de Wellington na linha de fundo e passe açucarado para Claudinho na área, que finalizou rente a trave pra fora da baliza.

Desespero e desanimação dos jogadores e torcedores com mais um tropeço. Cruzeiro 0x0 Juventude em pleno Gigante da Pampulha.

Próximo compromisso

O Cruzeiro volta a campo na próxima terça, 20, no estádio Germano Kruger em Ponta Grossa, no paraná. Às 21h30 a equipe enfrentará o Operário-PR em jogo que marcará a reestreia de Felipão no comando celeste.

A Raposa é 19º colocada da competição, com 13 pontos em 17 jogos. O clube está a 14 de diferença do primeiro time na zona de acesso até a Série A, onde a equipe, segundo o departamento de estatística da Universidade Federal de Minas Gerais, tem menos de 1% de chance de alcançar.

 

Coment√°rios
×