CPI da UPA ouve membros da Santa Casa de Formiga na segunda

 

Pollyanna Martins 

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que investiga irregularidades na Unidade de Pronto Atendimento Padre Roberto (UPA 24H) irá ouvir na próxima segunda-feira, 16 membros da Santa Casa de Formiga. As oitivas começaram no dia 23 de março, mas não podem ser acompanhadas, pois os membros da Comissão, Janete Aparecida (PSD), Nego do Buriti (PEN), Raimundo Nonato (PDT), Renato Ferreira (PSDB) e Zé Luiz da Farmácia (PMN) optaram por manter sigilo nos depoimentos, para que as investigações não sejam prejudicadas. Segundo Janete, duas pessoas ligadas à unidade e à Secretaria Municipal de Saúde (Semusa) já prestaram depoimento.

No dia 6 de abril, Janete, Renato Ferreira e Zé Luiz da Farmácia visitaram a UPA e constataram diversas irregularidades no local. Conforme disse a parlamentar, a visita teve como objetivo fazer fiscalização predial da unidade. De acordo com Janete, foram encontrados problemas como mofo nos consultórios médicos, vazamento de água em ar-condicionado, respingos de medicamentos nas paredes, paredes com buracos, falta de sabonete líquido nos banheiros, entre outras irregularidades.

— Em uma das salas, a situação era tão séria que tinha um cobertor no chão para conter a água que está vazando do ar-condicionado – relata.

De acordo com a vereadora, foram tiradas mais de 160 fotografias no local, que não virão a público, pois fazem parte do acervo da comissão. Janete relata ainda que, nesta primeira visita, foi constatado que não há o cuidado necessário com o prédio da unidade. A vereadora informou também que a CPI já encontrou indícios fortíssimos de irregularidades no contrato de gestão da UPA.

— Além dos graves problemas que temos como superlotação, temos ainda esses problemas estruturais do prédio da UPA – acrescenta.

Peça-chave 

Devido ao sigilo decretado pelos membros da comissão, a vereadora não divulgou os nomes dos membros da Santa Casa de Formiga que serão ouvidos na próxima segunda-feira, mas uma das peças chaves da investigação é o ex-provedor do hospital, Geraldo Couto, afastado do cargo em dezembro de 2014 depois de descoberto um rombo de R$ 16 milhões nos cofres da instituição.

O médico foi preso em abril de 2015 pelo crime de desobediência, pois havia uma ordem judicial que o proibia de continuar gerindo empresas da família, que fossem prestadoras de serviços à Santa Casa. Ainda segundo Janete, o ex-provedor da Santa Casa de Formiga será convocado pela CPI para prestar esclarecimentos.

 

Comentários
×