Cãominhada promete animar o domingo da cachorrada

Evento é uma oportunidade para adotar um cão e compartilhar experiências

Marília Mesquita

Esperto, brincalhão, fofo e muito companheiro. Quem faz daquele que tem focinho o melhor amigo, sabe que não importa a raça, a pelagem ou o tamanho. Cão não é adereço. A publicitária Amanda Lopes, 32 anos, aprendeu ainda criança, que animal precisa de cuidado e carinho. Foi assim, quando na infância criou cachorros, pássaros e 17 gatos. Foi assim, também, quando na adolescência saía de casa com um saco de pão e distribuía para os famintos abandonados. E é assim ainda hoje, quando há 5 anos à frente da ONG Vida Animal, organiza os últimos preparativos para a Cãominhada marcada para o próximo domingo,16.

Chow Chow, Chihuahua, Husky, Poodle, Shitsu. Muitas são as raças que estão no gosto das pessoas. Mas, infelizmente, o vira-lata quase nunca é uma opção para quem quer um cãozinho. Desta forma, Amanda explica que o evento foi preparado para promover a inclusão de animais independente da raça.

— É comum o encontro de animais puro sangue. A Cãominhada é um evento muito simples porque promove o amor pelos bichos, independente da raça. Não é porque o cão é vira-lata que ele é menos importante ou menos amado. O amor é uma condição do ser e não da raça — conta.

Fabíola Chagas é veterinária em um petshop na região central da cidade há 5 anos, e apesar de realizar a maioria dos atendimentos em animais com pedigree, disse que o preconceito com animais sem raça tem diminuído.

— Hoje 70% dos animais que frequentam o estabelecimento são de raça, mas o interesse em comprar cães tem mudado com o hábito da adoção —fala.     

Canil e social

A Cãominhada também é uma ação social. Com 57 animais no canil da ONG e outros 11 na própria residência, Amanda conta animada que o espaço também será utilizado para realizar uma feira de adoção. Porém, apesar de qualquer pessoa pode praticar a ação, ela lembra que a adoção responsável é aquela em que o novo melhor amigo seja recebido para ser cuidado e tratado como um membro da família nos próximos 10 ou 15 anos.

Apesar do trabalho que realiza, Amanda diz que a realização ainda não foi alcançada. Ela acredita que o trabalho de uma ONG só será completo quando voluntários puderem contar com a população:

— É preciso a mobilização da sociedade para junta agir em prol da causa animal. Os voluntários são poucos frente aos habitantes de Divinópolis. Então é preciso que donos tenham a consciência de não abandonar o animal. E se necessário, lembrar que é preciso castrar, vacinar e vermifugar o bichinho — orienta.

Animais

A ONG Vida Animal levantou que, em Divinópolis, há 12 mil animais abandonados. Os motivos para a condição de rua variam entre o abandono do antigo dono e a reprodução descontrolada. Segundo Amanda, qualquer organização protetora dos animais de Divinópolis possui uma cota de seis castrações mensais. Para ela, o número é muito baixo quando deveria ser uma política pública praticada pelo Centro de Referência de Vigilância em Saúde Ambiental (Crevisa). A Crevisa foi procurada pela reportagem que solicitou informações, mas não respondeu a nenhum dos contatos. A assessoria de comunicação da prefeitura também foi acionada, mas até o fechamento desta edição, não houve retorno.

Serviço

 

O evento

 

Local: Ao final da Rua Pitangui, bairro Padre Libério.

Horário: 9h às 12h

Passeio com os animais: 10h

 

Inscrições:

 

Valor: R$15

Local: Number One

Rua Rio de Janeiro, 767 - Centro

           Online

Facebook Projeto Vida Animal (facebook.com/ProjetoVidaAnimal)

 

Junto aos parceiros foram organizados 200 kits de brindes para serem distribuídos aos inscritos. Durante todo o evento, também, haverá o sorteio de prêmios disponibilizados pelos apoiadores.

 

Recomendação:

 

Leve o animal na guia e fique atento para evitar estranhamento com outro cão. Tenha sacola em mãos para manter o ambiente limpo.

 

 

 

Comentários
×