A volta de Jesus Cristo

João Carlos Ramos

O evangelho segundo S. Mateus no capítulo: 6-8 diz: "...E ouvireis de guerras e rumores de guerras; olhai, não vos assusteis, pois é mister que tudo isso aconteça, mas ainda não é o fim”.

“Porquanto se levantará nação contra nação e reino contra reino, e haverá fomes e pestes e terremotos em vários lugares, mas todas essas coisas são o princípio das dores.”

Alguém poderá questionar que sempre foi assim, porém a escalada da violência, da fome, egoísmo e coisas semelhantes jamais havia chegado a patamares tão assustadores, como nos dias de hoje.

A revolução tecnológica, fruto da inteligência humana, visando ao bem, se voltou contra a espécie humana, a tal ponto de familiares não se comunicarem mais, mesmo dentro de casa...

O casamento virou descompromisso e o amor, moeda de troca. O emprego, um luxo. Teria que haver um basta, desde os céus! A sabedoria divina resolveu agir com o azorrague em punho e todos passaram a ser chicoteados com um vírus chamado Covid-19, popularmente conhecido como coronavírus.  O pânico é geral, pois o mundo parou, enquanto cientistas lutam desesperadamente em seus laboratórios, buscando a fórmula de uma vacina salvadora. O medo assaltou a humanidade e os meios de comunicação assobiam como o menino na porta do cemitério, querendo se opor ao medo que gela o sangue e apressa a morte. A segunda vinda de Jesus Cristo é um fato para quem crê, e um pesadelo para os descrentes. Israel é o relógio de Deus e o povo eleito está em sua terra, aguardando o Messias.

A terra treme e os homens desafiam os céus de todas as formas. Segundo as estatísticas 150 mil pessoas morrem diariamente, e, em sua maioria, vítimas da violência, fome e catástrofes, provocadas pelo próprio homem. Jesus está voltando! Voltando não como um cordeiro sangrento, mas como "leão que despedaça e ruge", a fim de julgar com vara de ferro as nações.

As igrejas que o crucificaram pela segunda vez, com a hipocrisia, também colherão seus frutos de dor. Não sabemos o dia e nem a hora, mas Jesus Cristo voltará!

Na parábola das 10 virgens (Mateus 25:1-13), as sábias tinham azeite em suas vasilhas e as loucas, não. À meia-noite, ouviu-se um clamor: Aí vem o esposo, sai ao seu encontro! O esposo veio e levou as prudentes, enquanto as loucas foram comprar azeite (significando a "pena capital"), ou seja: a morte por uma causa.

Curve sua cabeça e pense no amanhã que pode ser hoje e diga com sua vida: ora vem, Senhor Jesus!             

jocarramos@gmail.com           

Comentários
×