“E agora, José”?

Carlos Alves Araújo

Neste mundo líquido, como diz Bauman, nada está permanente mais, tudo se modifica dia a dia, tudo se transforma. A mudança é a ordem do dia. Mas por sermos preguiçosos, preferimos nos acomodar, viver na inércia. Somos fracos em vontade. O nosso mundo só muda, quandonos prontificarmos para agir. Aí a mudança vai estar presente na própria vida prevenindoo futuro. Dando um rosto para o nosso porvir. Nós temos dois eus: o eu experiencialdo agora e o eu projetivo, que olha o passado e o futuro. A felicidadede um não é a mesma do outro. A felicidade do eu projetivo abrange: os objetivos, as conquistas e a história bem sucedida do passado. Ganhar dinheiro traz felicidade para o eu projetivo, e para o eu experiencial traz a possibilidade da satisfação do momento atual. Ser feliz é fazer um equilíbrio entre os dois. Para que isto aconteça, é fundamental a qualidade das nossas relaçõesde amizade com o mundo que nos rodeia. Segundo as estatísticas atuais, neste mundo de liquidez ,nos últimos cinquenta anos aconteceram mais mudanças do que em toda a antiguidade passada. A todo momento estamos nos perguntando: “ e agora, José?” Vivendo no final do século IV e início do V antes de Cristo, Heráclito já dizia que não se entra num rio duas vezes. Quando você vai entrar a segunda vez, você não é o mesmo e o rio também já não é mais o mesmo. Desde aquela época sempre se conviveu com o paradoxo de que a única constância é a mudança; este paradoxo hoje se tornou uma constante constância. E, por isso, cada dia mais, Heráclito tem mais razão. Mudam-se as águas e mudamos nós também; nós não somos estáticos, todo dia nos editamos a nós mesmos novamente. E neste cenário de mudanças ficamos meio perdidos nos perguntando: quem sou eu, de onde vim, onde estou, para onde vou? O conheça-te a ti mesmo de Sócrates é um dito mais atual do que nunca. Muitos não sabemos da nossa capacidade e do nosso poder de vencer as dificuldades da vida. Temos inteligência o suficientepara nos indicar o caminho, o que precisamos, de aí para frente, é o caminhar. E isso quem faz é a vontade. T. Edison disse que na realização dos seus objetivos a transpiração foi 90% (vontade), ficando 10% para a inspiração (inteligência). Quem é você? Voltando aos eus: tudo que falamos é uma preparação do autoconhecimento para que o eu projetivo possa proporcionar ao eu experiencial a capacidade de viver mais intensamente a felicidade. <calvesaraujo0089@gmail.com>

Comentários
×